Escolhas amorosas inconscientes

(Paulo Jacob)

frases_desilusao_amorosa

Olá!

Hoje quero falar com vocês sobre suas escolhas amorosas.

Quando você escolhe alguém para se relacionar, quais são os requisitos que essa pessoa tem que ter para que você se interesse por ela? Cor dos cabelos? Cor do olhos? Baixo ou alto? Magro ou gordo? Forte ou nem tão forte? Tímido ou extrovertido?

As características físicas e psicológicas de alguém, são determinantes para você escolher se você vai querer ficar com ela ou não. Mas até que ponto as suas escolhas foram tão conscientes assim? Você acha que quando alguém te atrai, o que está agindo sobre você é unicamente o seu consciente? Claro que sem ele não conseguiríamos nos relacionar com o mundo, e sendo assim, ele está presente durante o nosso processo de escolha através principalmente dos nossos cinco sentidos (tato, olfato, paladar, visão e audição), mas o consciente age somente em 5% do processo, os outros 95% é o seu inconsciente agindo, ou seja, você escolhe seus parceiros ou parceiras de uma maneira mais inconsciente do você imagina. É como se algo interno comandasse você para procurar pessoas que você nem sabe que te atraem, mas que de repente você se pega olhando para elas. E quais são os parâmetros que o inconsciente tem para eu fazer as minhas escolhas?

Bom, aí vamos entrar em um assunto que nem todo mundo aceita, mas que a psicanálise acredita, que é o Complexo de Édipo, e que certamente influencia e muito nas suas escolhas, seja você uma pessoa heterossexual ou não.

Freud quando criou a teoria do Complexo de Édipo, se baseou nos inúmeros relatos de seus pacientes (e também sem dúvida, de coisas de sua própria vida). Ao longo do tempo ele foi percebendo o quanto os parentais (pais, ou pessoas que contribuíram na criação) das pessoas que ele atendia, influenciavam nas escolhas amorosas delas. Resumidamente seria mais ou menos assim.

Vamos pegar como exemplo uma mulher. Quando ela nasce, ela tem a atenção dos seus pais, ou pessoas que desempenham essa função, certo? Para uma menina, qual é a primeira pessoa do sexo oposto que ela tem seu primeiro contato? O pai, certo? Se este pai (ou um homem qualquer, que pode ser um tio, avô, etc), é uma pessoa que ao longo da infância dessa menina, age de uma maneira legal com ela, dando atenção e carinho, e é uma pessoa presente na vida dela, certamente no inconsciente dessa criança, aquela figura masculina poderá se tornar um “padrão” nas futuras escolhas (masculinas) que essa menina venha a ter quando se tornar mulher. O mesmo ocorre em relação ao menino, só que com as pessoas do sexo feminino (mãe, avó, tias…). Ambos podem pegar “qualidades e defeitos” que essas pessoas tem, e colocar como requisitos para escolhas futuras, mas tudo isso inconsciente, ou seja, são valores dos outros que a pessoa guarda de uma maneia automática, aol ongo da infância, sem ficar prestando atenção nisso.

Então o “primeiro homem na vida” de uma menina, possivelmente foi o pai dela, e a “primeira mulher” na vida de uma menino, foi a mãe dele. Possivelmente toda essa convivência que se construiu na relação dos dois (pai e filha, mãe e filho), influenciará nas escolhas desse futuro homem e dessa futura mulher um dia.

Você pode agora estar pensando nisso que escrevi, e começar a prestar atenção no seu companheiro (no caso de você ser uma mulher), e ver o que nele há de igual ao seu pai, ou outros homens que fizeram parte da sua infância. Ás vezes essa pessoa pode ter um “mix” de coisas de várias pessoas, ou não, e sim ter várias características de uma pessoa só. Perceba também que nas suas escolhas, possam existir coisas que você até conscientemente não escolheu no seu parceiro, pelo fato de ser algo que detestava no seu pai, como por exemplo um pai que tinha algum problema especĩfico, e que quando você encontra alguém como mesmo problema, você “foge” na mesma hora. Não podemos generalizar isso, mas existe uma coerência nessa teoria, e no consultório quando atendo, vejo o quanto Freud estava certo quando a criou.

Então à partir de hoje, você sabe que suas escolhas amorosas são mais inconscientes do que você pode imaginar, e digo mais, o seu inconsciente age o tempo inteiro nas mais diversas escolhas da sua vida, não necessariamente baseado no Complexo de Freud, mas em relação à outras coisas.

Se quiserem entender mais sobre isso, aconselho procurarem um(a) psicanalista, caso percebem que isso possa estar trazendo problemas para vocês. Aqui eu expliquei bem resumidamente essa teoria, apenas o suficiente para falar sobre esse tema, mas existe muito mais a se falar sobre todo o Complexo de Édipo que Freud desenvolveu nos seus estudos.

Abraço e uma ótima semana.

15 pensamentos sobre “Escolhas amorosas inconscientes

  1. Olá Vania,
    Acho pouco provável que o o complexo de Édipo tenha adormecido em você. Às vezes escolhemos pessoas bem diferentes dos nossos parentais (no seu caso seu pai), pois por algum motivo você não quer ao olhar seu companheiro, lembrar do seu pai (um processo mais inconsciente do que consciente), seja por alguma semelhança física ou psicológica. Cada caso é um caso, e em terapia é algo que tranquilamente é desvendado os motivos disso ter ocorrido. Se for algo que te incomoda, procure uma terapia, mas se não for algo que atrapalhe a sua vida, vá em frente!
    Obrigado pelo comentário.
    Abraço!

  2. Olá Fernanda,
    Que bom que através da terapia você já venceu por essas barreiras.
    Mas lembre-se que devemos estar sempre atentos as nossas escolhas (inconscientes), e procurar entender o motivo de estar agindo de tal forma. Caso já tenha parado a terapia, seria interessa voltar, pois conforme vamos vivendo, coisas que ainda estavam adormecidas (e que não foram tratadas em terapia) começam a “despertar” e acabam agindo na nossa vida sem que percebemos.
    Abraço

  3. Olá Carina,
    Além do que o Fernando comentou, um outro exemplo são os(as) professores(as), ou outra figura que tenha sido importante na vida dessa pessoa, até um padre por exemplo…
    Abraço e obrigado pelo comentário!

  4. Olá Carla,
    Realmente isso pode acontecer… Não é difícil a “menina” (no caso uma mulher hoje), acabar tendo relação com pessoas parecidas com o pai, afim de sanar uma necessidade de algo que não teve quando criança.
    Caso não faça terapia, procure fazer… Pode te ajudar a resolver isso.
    Abraços!

  5. perfeito, eu sou assim realmente, só escolho pessoas na minha vida amorosa que não podem me dar a atenção ou carinho, pois meu pai foi e é um homem ausente, nunca tive sucesso em minha vida amorosa.

  6. Tenho uma relação muito conturbada com meu pai,mas tenho muitas características dele, durante mto tempo não tive sucesso na minha vida amorosa porque inconscientemente escolhia pessoas que eu não poderia ter e me frustrava. Quando descobri isso na terapia,passei a ter mais sucesso na vida amorosa,queria entender como não passar mais por esse prblema e ser plenamente feliz na vida amorosa.

  7. Carina, a pessoas terá qualquer outro tipo d referência, seja por uma fala da mãe da avó da pessoa que a criou, sendo assim a criança cria essa identificação a partir da fala do que lhe contaram.. Isso pode ocorrer de outras formas, pelos meios de comunicação em massa, como novelas, revistas etc. Mais alguma referência essa pessoa vai ter, baseado em alguma fantasia ou no real. Espero ter ajudado.

  8. hum..e quando a menina não teve pai e ficou até mais ou menos 7 anos de cidade em cidade não parando mais de 6 meses em cada uma? qual referencia vai ter?

Escreva aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s