As sessões, uma lição

(Paulo Jacob)

Olá, como vão?

assessoes

Hoje gostaria de falar sobre o filme “As Sessões”.

Há algum tempo eu estava procurando o filme para assistir, pois não consegui ver no cinema. mas eu eu já sabia da história do filme, pois tinha lido na internet textos sobre o filme, e na grande maioria elogiando o filme.

Para você que ainda não sabe nada sobre o filme, eis aqui uma sinopse que encontrei na internet: ” A história de Mark O’Brien (John Hawkes), um homem que viveu a maior parte de sua vida em um pulmão de ferro e está determinado – aos 38 anos – a perder sua virgindade. Com a ajuda de seu terapeuta e a orientação de seu padre Brendan (William H. Macy), ele se propõe a tornar seu sonho uma realidade.”

A terapeuta realmente faz um trabalho maravilhoso com o paciente, além do trabalho que ela faz com a mente de seu paciente, ela realiza os desejos sexuais dele, mas de uma forma totalmente empática! É incrível o trabalho que é mostrado no filme, e que até onde sei, essa terapeuta existe, realizando trabalhos com seus pacientes com os mais diversos problemas na sua sexualidade.

Bom, sem dúvida muitos a julgarão sobre o trabalho que esse terapeuta faz, pois como assim se envolver sexualmente com um paciente? Mas o intuito dela não é sexo, e sim tratar de um problema que a pessoa tem, e tratar psicologicamente e se posso dizer assim, “sexualmente” também.

É um pré requisito de um bom psicoterapeuta não ter preconceitos, pois como ele irá atender as mais diversas pessoas, tendo algum preconceito? Se o psicoterapeuta tiver preconceito com homossexuais, ele não os atende? Ou então se ele for racista, ele não atenderá raças diferentes das dele? No caso desse filme, a terapeuta não tem preconceito, ela não escolhe os homens lindos, com corpos maravilhosos para realizar desejos sexuais (se por acaso aparecer um, que assim seja!), mas para a terapeuta ela vê um ser humano precisando de ajuda, e não um homem precisando de ajuda, independente de como ele for.

E no filme podemos ver que da mesma forma que nós psicoterapeutas devemos trabalhar com empatia (respeito, humildade, compreensão, amor, etc…) com nossos pacientes, ela faz isso também através da sexualidade, agindo com neutralidade até onde for possível agir em uma situação como essa.

O mesmo carinho que podemos ter com nossos pacientes, no sentido de compreender os limites do paciente, ela age no filme da mesma maneira com ele. Se todos nós agíssemos com quem nos relacionamos, da mesma empatia que ela com seu paciente, certamente a sexualidade de todos seria muito melhor!

É uma lição para todos nós!!

Um abraço e até a próxima.

2 pensamentos sobre “As sessões, uma lição

  1. O filme é realmente interessante, mas ela acaba se envolvendo emocionalmente com o paciente, mesmo sabendo que é uma transferência e, portanto, parte do trabalho terapêutico, destruindo, assim, a continuidade da terapia em sua essência. E um pouco do “realismo” do filme.

    É claro que o fato de ser um filme exige este tipo de envolvimento pra tornar a trama mais envolvente. E também não exclui o fato de que em qualquer terapia, há o risco do “profissional” se envolver e, portanto, casos reais devem existir seguindo a linha do filme.

    A mesma critica vale, na minha opinião, pra série “Sessão de terapia”, que em alguns momentos também ultrapassa esta linha tênue, deixando um pouco a visão realista do drama de lado e passando a ser o que de fato é, cumprindo o seu papel de uma série de TV (com seus devidos créditos).

    De qualquer forma, a maior parte do filme e da série é bastante construtivo.

    Boa dica!

Escreva aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s