Arquivo de Tag | emoções

QUEM AMA NÃO ADOECE

(Adriana Lobo)

adri

Muito se tem estudado nos dias de hoje a respeito dos efeitos do  amor na nossa  saúde e nas nossas vidas de uma forma geral.

Podemos afirmar que indivíduos que não foram amados adequadamente, na maioria  das vezes não conseguem amar com desprendimento, tornando-se assim pessoas  infelizes.

O adoecimento do corpo serve para dar vazão a esse sofrimento produzido muitas  vezes pela falta de amor.

A prática do amor gera saúde, quem ama a si mesmo e aos outros, quem deseja o  bem ao seu próximo, quem pratica a caridade aos mais necessitados, vive mais e com  muito mais saúde, disposição e harmonia.

Para não adoecermos é necessário aprendermos a lidar com as nossas emoções e as  nossas imperfeições, afinal de contas somos humanos e estamos em processo  evolutivo.

É necessário estar sempre atento as nossas ações, cultivar bons hábitos, falar dos seus sentimentos, sem medo, sem julgamento, cuidar da saúde física, ler bons livros, perdoar a si mesmo e aos outros através da prática da compreensão.

Dê sentido a sua vida, trace metas possíveis de serem alcançadas, seja bom, seja útil, onde quer que você esteja.

Aceite-se como você é, seja você mesmo, trabalhe suas imperfeições, seus instintos agressivos e o seu lado egocêntrico, pratique o exercício da empatia, agindo assim  poderá compreender melhor o sofrimento alheio.

Liberte-se da opinião dos outros, esteja em paz com sua consciência, faça tudo com muito amor.

Viva com simplicidade, complicamos demais a vida, vivemos num mundo de ilusões materiais, onde o “ter” é mais importante que o “ser”.

Contribua para o bem estar das pessoas, encare as dificuldades com confiança e fé, transforme problemas e oportunidades.

Seja grato por tudo o que Deus tem proporcionado na sua vida, busque Deus em tudo, agindo assim encontrará paz interior e não haverá espaço para as doenças da alma.

É com uma atitude de amor para com o próximo e a si mesmo que teremos a saúde da alma, do corpo e do espírito.

Fiquem bem !

(Adriana Lobo é Psicanalista e Psicopedagoga, seguidora do Blog e atenta ao amor ao próximo)

A culpa

sexualidade_signosA culpa

(Paulo Jacob)

Olá! Como vai sua culpa? É, sua culpa em querer fazer, ou pensar coisas que ninguém pode saber. Tudo bem?

E as suas fantasias sexuais? Estão em dia? Você procura fazer que fantasia? As loucuras de amor, as situações mais inusitadas… Se propõe a vivenciar novas emoções?

Então… Posso te falar uma coisa que vai você se sentir menos culpado(a)? Todo mundo tem desejos, vontades, fantasias!! Ééééééé!! E vou ter falar mais uma outra coisa… Aquela pessoa que você nem imagina, que você não acredita que pensa em algo relacionado à sexo, pode de repente fazer coisas que você nem se atreveria fazer! E sabe porque ele(a) faz? Porque essa pessoa aceita sua natureza, e procura satisfazer as vontades sem culpa!

A culpa foi “colocada” na sua cabeça. Há muitos séculos atrás, a possibilidade das pessoas terem relacionamentos sexuais com vários parceiros era considerada normal. E sexo com pessoas do mesmo sexo? Ok, também! E sexo com parentes? Ok, também!! E porque agiam assim, sem uma censura, ou algo que fizesse que essa loucura parasse? Porque naquela época, a culpa em relação a essas questões, não existia! Não havia uma lei que proibisse isso.

Todos temos tendências (ou instintos) dentro de nós, uns mais que os outros, mas todos nós nascemos com isso. Dentre essas tendências, existem a poligamia, a homossexualidade, incesto, entre outras. Então todas as vezes que desejamos algo, acreditem é natural!

É claro que não vamos agir como animais, pulando no colo do outro, ou nos expondo totalmente para as pessoas nos verem (já viram isso em algum lugar?). Se temos o nosso lado racional, é para ser usado, e se hoje existem regras, para que tenhamos um limite, devemos respeitá-las.

Mas você já ouviu aquela frase “entre quatro paredes vale tudo!”. Então, faça valer tudo!! Aproveite, sem culpa!! Demonstre ao seu parceiro (ou parceira) as suas vontades, curiosidades, aproveite o que Deus lhe deu! E se deu, é para aproveitar com prazer, porque se não fosse para ter prazer, seria nos dado sem essas sensações boas que temos! Sem medos, pecados, culpas…

Aproveite com responsabilidade a sua vida! À partir do momento que o casal com consenso de ambos querem fazer algo (seja lá o que for), é fazer e ponto! Se você não consegue, é porque certamente existem coisas que precisa trabalhar em terapia, para que você se solte, e assim desfrute de ótimas sensações. O que é errado para você, pode ser certo para outro. Pense nisso!