Arquivo de Tag | perder

Você tem alguém na sua vida?

(Paulo Jacob)

namoro-grudento-ciumes1

Namorado, namorada, marido, esposa, amante, ficante… Bom, você acha que tem, mas não tem!
Sim, você não tem! Essa pessoa é de sua propriedade? Tem uma plaquinha com seu nome grudado no corpo dela? Ela está 24 horas acorrentada junto à você? Você controla a vida dela em tudo? Sabe aonde ela está agora por exemplo? Bom, você acha que sabe…quem garante?

Falamos que temos algo, porque ainda enxergamos as pessoas que convivemos como um objeto de posse. Um objeto de algum valor (muito ou pouco) que eu não quero perder e tento, dentro do que eu posso, controlar as ações dessa pessoa, afim de me deixar tranquilo que nunca irei ficar sem ela, pelo menos durante o período que eu quiser.

Por que continuamos nos iludindo diariamente sobre isso? É confortável para você acreditar que uma pessoa é sua e que você a controla? Sim, pode ser! Mas conforme vamos vivendo, percebemos que não temos nada, muito menos que controlamos algo. As pessoas estão do nosso lado porque querem, e aqui nem vou entrar no mérito do motivo delas estarem com a gente (interesses, amor, amizade…), mas se elas estão é porque querem e não porque você quer.

Essa sensação de que “tenho alguém”, nada mais é do que um apego afetivo e material pelas pessoas. O apego material seria a sensação de reter um objeto, controlar algo para saciar as suas necessidades e isso pode ter uma ligação com algum problema na infância, durante a fase anal. O apego afetivo é idealizar no outro tudo aquilo que eu quero que ele seja para mim, sem necessariamente eu ter que me entregar para isso.

Eu exijo amor, mas não dou amor; eu exijo carinho, mas não dou o mesmo carinho; ou seja, eu demonstro todos os sentimentos que tenho com aquela pessoa e espero o retorno disso o quanto antes for possível e, se der, para o resto da vida!
Mas quem disse que ela tem obrigação de lhe retornar tudo o que você faz? Você fez esperando um retorno? Se você fez algo, fez porque queria, não adianta ficar cobrando depois…

Existe também a necessidade de se apegar à alguém com o intuito de dar um motivo para a vida, ou seja, eu só sou feliz porque essa pessoa está comigo, ela me ama, me quer … Ok!
E se de repente, por algum motivo essa pessoa “sai” da sua vida?
Você morre? Se deprime?
Então a sua felicidade está no apego, na ilusão que você nutre diariamente de que tem alguém e de que essa pessoa te fará feliz para o resto da sua vida?

Mas se você entendeu o que escrevi acima, de que ninguém é seu, então como pode jogar a sua felicidade, a sua vida, em algo que não possui? Parece meio ilógico isso, não? Mas fazemos isso todos os dias, tanto nas nossas relações amorosas, como nas amizades, com a família…. Conseguem entender o motivo por que existem tantas pessoas se deprimindo diariamente? Vivenciar esse tipo de frustração por várias vezes, deprime as pessoas.
Então o que você faz? Não se relaciona com mais ninguém?

Tenha quantos relacionamentos quiser, mas consciente de que estar com uma pessoa (e não ter uma pessoa) é ter a oportunidade de conviver com ela naquele momento, dia após dia, trocando experiências, visando o crescimento de ambos e não usá-la como um objeto você suga o que pode e depois descarta. Saiba que as pessoas ficarão ao seu lado pela sua demonstração do amor que tem por elas, ou seja, através do respeito, amizade, sexo, compreensão, companheirismo, confiança, entre outras boas ações e não porque ela é sua!

Não somos objetos, não gostamos de ser tratados como tal e por isso mesmo devemos agir da melhor maneira possível com todos.

Uma boa semana!